O que é a multidimensionalidade?

É verdade que todos estão falando sobre esse assunto, porém de fato, ninguém realmente entende o que significa. Todo mundo tenta ter uma ideia geral para não parecer bobo durante as conversas, mas no final, está muito longe de ser claro!

Na verdade, num momento em que a 3D, 4D e 5D estão começando a entrar no vocabulário das pessoas na moda, a noção de “dimensão” fica limitada à camada superficial das coisas. É fácil de provar. Basta ouvir as perguntas feitas sobre o assunto, mas especialmente para ver o quão profundo já está incorporada a crença de “eu sou de 3D, 4D ou 5D? ”.

O simples fato de fazer uma pergunta como esta mostra um profundo desentendimento sobre o que é uma dimensão, e ainda mais o que é essa famosa multidimensionalidade. Esta última palavra é composta de “multi-”, o que significa vários. Então, como podemos responder à pergunta “será que eu estou na 5D? ”, quando na verdade estamos em várias dimensões ao mesmo tempo?

Você vê o quão fácil é mostrar que muitas pessoas no caminho da ascensão usam termos sem realmente saber do que se trata. Você vai me dizer que não é nada novo, já que várias outras palavras já foram destorcidas com a ferramenta da aproximação, como o amor, a liberdade, a fraternidade e muitas outras!

Então, antes de esclarecer tudo isso, vamos começar com um eixo de multidimensionalidade que cada ser humano conhece e vive no dia a dia. De fato, por definição, cada organismo vivo é uma montagem de várias dimensões simultâneas, caso contrário simplesmente não poderia existir.

Vamos começar com a primeira dimensão, que é a matéria simplesmente. Sem matéria, você não teria um corpo físico. Olhando para o último, você entende que ele sozinho já representa uma aventura de exploração gigantesca. De fato, esse corpo é composto de múltiplas peças interligadas entre si que são todas interdependentes.Se não fossem, você simplesmente não poderia andar, mexer o braço ou fazer qualquer coisa neste mundo. Se levou tantos séculos para a medicina oficial descobrir “como funciona”, para poder corrigi-lo, imagine só a complexidade do funcionamento de um corpo físico.Assim, o corpo físico é uma dimensão, a dimensão que tem a vibração mais baixa. Eu o chamo de “veículo” ou o equivalente de um carro completo. É uma dimensão que requer muito a nossa atenção, regularmente (se lavar, caminhar, praticar esporte, etc.), e que, se perder um pedaço (um braço, uma perna ou um seio), irá necessariamente impactar sua vida e a forma como você enxerga o mundo.

A segunda dimensão é o que anima/impulsiona o corpo físico. É o corpo energético (ou etérico, se você preferir). Comumente, consideramos esse corpo como o corpo da saúde. De fato, quem não precisa administrar sua saúde e sua forma? Todos precisam, mesmo quando somos jovens e despreocupados no ponto de estragar rapidamente a juventude do corpo por métodos de destruição em massa (cigarros, álcool, açúcares e junk-food).

Mais cedo ou mais tarde, você terá que administrar isso em plena consciência, porque fará realmente parte da sua vida quotidiana. Veja, já são duas dimensões para viver ao mesmo tempo e está longe de ser uma tarefa fácil, especialmente quando começamos a envelhecer…. Apenas estas duas dimensões por si preenchem muitas horas do seu dia (concertos, manutenção e utilização, tratar-se, lavar-se, comer, mexer a bunda para não se tornar um vegetal…).

Vamos passar para a 3ª dimensão, o corpo mental. Este último tem como objetivo gerenciar as duas primeiras dimensões na 3D (a dimensão da ação em um ambiente material) e obedecer a uma outra dimensão chamada de “Alma”. Ele é, de certa forma, o motorista do carro ou do táxi da Alma.

Então imagine que esta dimensão inclui a condução do veículo (saber ler, escrever, entender o dialeto e os costumes locais para conseguir a habilitação), cumulando ao mesmo tempo a função de obedecer às ordens e de executá-las com boa vontade e bom humor. Em outras palavras, “estar ao serviço…” da 4ª dimensão, que é a nossa Alma.

Esta “3D”, também, exige muito tempo das nossas vidas. Especialmente porque está grudada em algo chamado de “corpo emocional”. Esse último também traz um monte de dificuldades para muitos de nós. O corpo emocional é, de certa forma, uma degeneração 3D de algo que chamamos de “sentimentos”.

Na verdade, o sentimento é o corpo que anima a 4D (o coração – a Alma), mas que, em contato com a mente-ego, se tornou algo tão doentio quanto o ego. Eu quase poderia dizer que as emoções são os farrapos do ego. Sem emoções, seu ego não poderia dominar você… E como o ego manipula nossa mente de acordo com seus próprios objetivos, as emoções seguem a mesma direção…

Em outras palavras, quando teremos ascensionado, nosso corpo emocional terá sofrido mais ou menos o mesmo destino que o ego: o cemitério. Eu sei que pode ser difícil ouvir isso para alguns de vocês, mas isso não mudará nada. É somente quando você saberá diferenciar o sentimento da emoção que você realmente entenderá o que eu estou falando.

O sentimento pertence à 4D, e não tem nada a ver com as emoções da 3D. Então aqueles que precisam de adrenalina para se sentir vivos simplesmente não ascensionarão. Em 5D, a paz e a harmonia não podem ser compatíveis com a raiva, o ressentimento, a irritação, a impaciência, todos sendo derivados do egotismo…

Para falar claramente, o motorista do táxi, com seus estados de alma, não chegará em lugar nenhum se ele decidir fazer tudo à sua maneira. Este motorista, se quiser ascender, deverá reconhecer que não é ele quem decide o destino, e seu papel principal é dirigir com brio e serenidade esse táxi de encarnação, este veículo de experimentação na dualidade. E esse é um trabalho de período integral, um contrato de trabalho de prazo determinado que será recompensado com uma moeda universal chamada “amor incondicional”.

O som das moedas do amor incondicional se chama de alegria, e dá para ouvi-lo muito bem quando estamos em paz! É por isso que quando você está em alegria, as pessoas vêm até você…. Você tem “dinheiro” e elas querem fazer negócios com você!

A 4ª dimensão é a do “Tesouro Universal”, onde a vibração do coração faz girar o contador de sua riqueza interior. Todos nós sabemos que, quando alguém é rico por dentro, a riqueza externa é de muito menos importância. Essa riqueza externa é aquela que interessa o Tesouro Nacional que, de uma forma ou de outra, irá arrancá-la de você (você não iria levá-la para o céu de qualquer maneira…)!

Esta 4ª dimensão também requer muita atenção porque sendo a moradia da nossa criança interior, devemos dar ouvidos ao seu chilrear. Dá tanto trabalho quanto um verdadeiro recém-nascido, exceto que, neste caso, não precisamos de grana para alimentá-lo…. Então, como se diz, cada um receberá de acordo com sua vibração, isto é, segundo a sua riqueza interior.

Do mesmo jeito que as duas primeiras dimensões (corpo físico e energético) compõem o motor da Terra, as 3ª e 4ª dimensões são o motor do Humano. A parte material é gerenciada pela 3D (a mente) enquanto a parte viva está localizada em 4D (o coração).

Você pode imaginar que as 5ª e 6ª dimensões compõem o motor do Céu. A parte inferior, a do suporte relacionado à Criação, estará relacionada à 3D e à 1D. Na verdade, seus chakras masculinos (1-3-5) são o suporte (como um motor elétrico) onde a energia dos chakras femininos (2-4-6) pode circular (a corrente elétrica).

Seu corpo físico (motor elétrico) é alimentado por seu corpo energético (eletricidade) para poder se mover e, assim, providenciar um veículo de manifestação em um ambiente material. É o motor pertencente à Terra…

Mais para cima, seu corpo mental é o suporte, o motor elétrico onde poderá circular a energia chamada “sentimento” e que chamamos de corpo emocional. De fato, o corpo emocional é apenas um subproduto falsificado do corpo de sentimento que é a alma, ou a criança interior. Este é o motor do Humano.

Finalmente, o motor do Céu é composto por uma parte material (o motor chamado “Verbo”) que será alimentado pela corrente do invisível chamada de sonho, intuição e similares. Esta parte está relacionada aos corpos búdico e átmico, dos quais eu não vou falar hoje.

Por outro lado, há um corpo que chamamos de “espiritual” e que está na imagem do corpo emocional, um subproduto “humano” da emanação direta do Pequeno Eu que está materialmente localizado no seu coração físico, mas que está relacionado ao motor do Céu, o motor do invisível, o motor de uma consciência vibratória mais alta que a dos dois primeiros motores (o da Terra e o do Humano).

Eu repito, para o desespero dos “espiritualistas”, não falaremos mais de espiritualidade em 5D, porque cada um será seu próprio Mestre e não seguirá nenhum ensino “espiritual”, uma vez que ele terá integrado a lei do UM. De fato, a espiritualidade é apenas uma coisa externa, uma mentalização do Ser, mas não o próprio Estar.

Para falar claramente, ascencionarão apenas aqueles que estão realmente vivendo a coisa, e não aqueles que pensam que estão a viver. Em suma, ESTAR é, portanto, um nível de consciência na ação do agora, do presente aqui e não uma projeção, mesmo divina.

Poderemos tomar posse do nosso corpo de Estar somente sob a condição de abandonar nossos corpos espirituais e emocionais, que são apenas subprodutos do ego, que também falecerá. Em outras palavras, enquanto o seu ego mantém sua dominação, afirmando que ele é o chefe e que ele ficará no poder a todo o custo, com todas as boas razões do mundo (egóticas), você continuará sendo seu escravo.

Resumindo tudo isso, você concordará que vivemos nossas multidimensionalidades atuais como se fosse somente uma, enquanto intimamente e logicamente nós sabemos que elas estão encaixadas, uma dentro da outra como bonecas russas, dimensionalmente distintas, mas vibratóriamente conectadas.

Então, o que pensar quando alguém se pergunta se ele vive em 3D, 4D ou 5D? Isso só confirma sua ignorância da multidimensionalidade que o habita. É nisso que nosso ego pode nos manipular. Por trás de seu EU (egótico, por definição) se esconde seu joguinho.

Mas uma vez que você tomou consciência do movimento independente de cada um dos seus corpos, você pode melhorar seu domínio neles (isso que não significa assumir o controle!). Assim, quando uma emoção chega para arrumar confusão, procure olhar ela para o que é, e fala “oi” para ela, simplesmente e sem julgamento.

Idem para a dor física, mental ou outra, e você verá que, de repente, tudo será mais simples. Isso permitirá que você dê um passo para trás, que esteja um observador atento às suas diferentes facetas e, assim, graças à lei do UM, junte as mesmas peças, mesmo que sejam antagônicas.

De fato, em um mundo de dualidade, é ilusório acreditar que você pode guardar o positivo e mandar o negativo embora. Isto é apenas uma ilusão baseada em uma crença de separação. Tecnicamente, onde existe um “menos”, haverá um “mais”, porque tudo está em equilíbrio. Então, sabendo disso, você também saberá que a vida dualitária é um paradoxo permanente.

É somente juntando os opostos-complementares, graças ao amor incondicional (e, portanto, sem julgamento), que você poderá encontrar a UNidade. É por estar em plena aceitação de tudo que habita em você que encontrará uma unidade suficiente para escapar do carrossel ilusório da dualidade.

Não há mais nada para melhorar, nada para purificar, mas tudo para aceitar, em paz e com humildade. Ao se tornar consciente das multidimensionalidades dentro de você, você irá demonstrar de uma forma vibratória incontestável que você entendeu que é apenas uma consciência tomando consciência de si mesmo.

Ame a si mesmo e o mundo lhe pertencerá. Ao descobrir sua unicidade, você descobrirá que você também é o todo. É um paradoxo que simplesmente diz que você está além da dualidade, acima da separação entre um “mais” e um “menos”, entre um “mim” e um “nós”, porque você já sabe que somos UM. Cada um de nós é uma faceta participando da luz maior do diamante chamado de Fonte.

Sem a gente, sem as diferentes facetas de todas as formas de vida, a Fonte seria apenas uma grande pedra em bruto. A Fonte, como diamante, é na imagem do motor elétrico, enquanto nós somos a vibração que corre por ele.

Ao entender nossas multidimensionalidades, estamos apenas oferecendo uma corrente menos parasitária. Isso só pode resultar em um melhor desempenho, um melhor uso que deixe este diamante ainda mais brilhante. Estamos aqui para embelezar a Criação com as nossas vibrações mais lindas, então vamos começar descobrindo que já estamos jogando em várias dimensões, aqui e agora, trabalhando para clarificar a nós mesmos.

É simples, basta ser sincero em relação com tudo que habita dentro de nós, sem emitir qualquer julgamento para parar a separação; automaticamente o programa de reunião das partes órfãs do nosso ser será disparado primeiro em nós, para descobrir mais tarde que a mesma coisa acontece por fora.

Reconectar-se às nossas multidimensionalidades internas levará, consequentemente, à reconexão das nossas multidimensionalidades externas, que são, por exemplo, todas as formas de vida que atualmente nos cercam (tanto visíveis como invisíveis).

Então pare de acreditar que você é feito de apenas uma dimensão, a do seu ego. Ele só falará com você sobre a 3D, e lhe fará se perguntar se você está em 4D ou em 5D…. Assim, se por um milagre você acredita que está em 4D (ou em 5D ou 6D.…), saiba que isso é que uma projeção e, portanto, apenas mais uma ilusão para te enganar.

Você está ao mesmo tempo em todas as dimensões acima mencionadas e é apenas a sua consciência que passeia em uma delas ou que analisa o que está acontecendo em termos interativos entre todas as suas dimensões internas e externas. Saia da ilusão de que você é um monobloco porque na verdade você é um mil-folhas!

Observe e aceite incondicionalmente o que está acontecendo, e você verá que tudo se tornará mais fluido. Ao deixar ir, sua resistência, seus bloqueios se tornarão pó diante da torrente de amor que flui para dentro de você. Reabra as válvulas do momento presente, com sinceridade e humildade, e você verá que no final, não era tão complicado!

In Lakesh!

Laurent DUREAU

Artigo originalmente publicado no blog 4D5D no dia 1º de julho de 2011 e atualizado no blog 345D no dia 26 de setembro de 2012. Traduzido do francês.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*