Os 7 planos de harmonização (4): a relojoaria cósmica

Em muitas filosofias, até mesmo cotidianas, sempre ouvimos falar do número 7 e os ciclos que são atribuídos a ele. Entendemos que tem 12 meses, como os signos do zodíaco, mas por exemplo, de onde vêm os 7 dias da semana?

A tradição, em varias línguas, de associar os nomes dos dias da semana aos nome dos planetas do sistema solar (Lua, Marte, Mercúrio, Júpiter, Vênus, Saturno e o Sol) não dão nenhuma explicação, a menos que tomarmos em consideração o ponto de vista dos chacras e suas polaridades. Mas vamos nos aprofundar no estudo da relojoaria cósmica.

Para o homem, o ciclo básico inegável é o do ano porque este corresponde a algo realmente verificável: 1 volta ao sol. Haverá, portanto, para todo ser humano, um ponto de partida que é o dia do seu nascimento. A partir desse ponto, contaremos o número de anos.

Por uma quuestão de igualdade, e de modo que a mecânica humana siga uma curva de crescimento linear e inevitável, qualquer que seja o local de nascimento, o ciclo evolucionário do corpo humano foi projetado para seguir o ciclo anual.

Então, toda vez que você deseja um feliz aniversário para um amigo, você na realidade comemora a abertura de uma nova porta de realização e de desenvolvimento. Claro, não tem nada a ver com os presentes, os doces e o bolo que esperamos com tanta ansiedade quando somos crianças ou queremos voltar a ser uma.

Agora imagine que cada chacra é uma roda com 7 dentes. Como qualquer relógio mecânico, será necessário que a primeira roda faça um giro completo para que a segunda roda avance de um dente e assim por diante.

Como existem 7 chacras e, portanto, 7 rodas, levará 7×7 anos para retornar ao ponto de partida, isto é (para os atrapalhados das tabelas de multiplicação) 49 anos. E aí, qual diferença isso faz na sua vida? Bem, deixe eu lhe dizer que muda muitas coisas…

Eu dei, nos artigos anteriores, uma palavra para descrever cada chacra, porém agora precisamos ir um pouco mais longe. Desta forma, você entenderá como cada ano, seu ponto de vista muda a sua visão do mundo. Isso lhe dará muitas explicações sobre o percurso da sua vida e o porquê de certas experiências.

Então, vamos começar com uma linda tabela recapitulativa sobre os chacras:

Princípio
Objetivo
Chacra 1 Consciência física
 » Força « 
Energia vital inicial, relação com a Terra e o mundo material, estabilidade, perseverança. Em suma, é o aspecto materialista (a matéria – o dinheiro).
Chacra 2 Reprodução criadora
 » Pureza « 
Sentimentos iniciais, seguir a corrente da vida, sensualidade, erotismo, criatividade, espanto e entusiasmo. Em resumo, é a família, o casal, a tribo, a reprodução (a família – o sexo).
Chacra 3 Realização do Ser
 » Justiça « 
Personalidade, assimilação de sentimentos e experiências, elaboração do Ser, influência e poder, força e plenitude, sabedoria que cresce com a experiência. Em suma, é a personalidade, o ego (o ego – o poder).
Chacra 4 Entrega ao Ser
 » Beleza « 
Desenvolvimento das qualidades do coração, amor, compaixão, partilha, participação através do coração, altruísmo, dom de si, cura. Em suma, é a abertura para os outros (altruísmo – moda).
Chacra 5 Ressonância do Ser
 » Sabedoria « 
Comunicação, expressão criadora de si, abertura, independência, inspiração. Enfim, é a propaganda (religião – política).
Chacra 6 Conhecimento do Ser
 » Graça « 
Conhecimento, intuição, desenvolvimento interno dos sentidos, força mental, projeção da vontade, realização. Em resumo, é o estudo do escondido (o paranormal – o oculto).
Chacra 7 O Ser puro
 » Amor « 
Realização de si, conhecimento supremo através da visão interior, união com o Todo, consciência universal. Em resumo, é a consciência da Unidade (Fusão – Espiritualidade).

Assim, dado o que foi dito antes, veremos que a criança no dia do seu nascimento tem um contador a zero. Ele começará sua experimentação humana com o primeiro chacra que começará a girar e que, no final de um ano, terá feito um giro completo, trazendo-o para seu primeiro dente que colocará em movimento o segundo chacra.

Então, um ano depois, o primeiro chacra passará para o segundo dente (dois anos), o segundo chacra em seu primeiro dente, lançando assim o movimento no terceiro chacra. Então, com cada ano passando, todos os chacras se moverão (um por ano) para atingir a idade de 7 anos. Sabe, aquela idade na qual gostaríamos de voltar!

Há, portanto, ao longo dos anos, um incremento que faz com que durante os primeiros 7 anos, nós vejamos o mundo através do filtro do primeiro chacra, com uma adição suplementar a cada ano.

Assim, antes de 1 ano, vemos o aspecto da “matéria-matéria”, depois, de 1 a 2 anos, vemos o aspecto “matéria-família”, depois o aspecto “matéria-ego”, depois “matéria-abertura para os outros”, depois “matéria-eu me expresso”, depois “matéria-introspecção” e finalmente “matéria-eu sou”.

Então, no ano seguinte (de 7 a 8 anos), passaremos para o segundo chacra principal, que dá uma visão do mundo “família- matéria”, depois “família-família”, “família-ego”, etc. É assim que a cada ano, não apenas nos tornamos mais velhos de um ano, mas também mudamos a nossa perspectiva.

Qualquer que seja sua origem, sua condição social, seu sexo, esse mecanismo celestial faz com que você siga um caminho de evolução totalmente idêntico a todos os outros humanos. As consequências são muito simples; vejamos um exemplo.

Se aos 5 anos de idade você passou por uma incompreensão, um problema, você encontrará a energia correspondente bloqueada 7 anos depois, mas com a visão do andar de cima. Isso lhe dá uma chance de desbloqueá-la; senão, aqui vai você por mais 7 anos.

Podemos dizer que durante os primeiros 49 anos da sua vida, você escreverá em você uma história inteira em 7 capítulos de 7 páginas cada. Depois, você voltará ao início do livro e começará a ler novamente. Você apagará algumas passagens (se não tiver feito antes durante um ciclo de 7 anos) e adicionará novas linhas, mas não novos capítulos!

Para melhor visualizar cada grande função das rodas (chacra, em sânscrito), eu coloquei entre parênteses, em uma palavra ou duas, as grandes características de cada uma. Você não ficará surpreso em ver que o nosso mundo é banhado na energia dos três primeiros (dinheiro – sexo – poder) porque são os mais pesados.

Depois, mais voláteis, temos a moda/o altruísmo, o religioso/político, o oculto e o último, a meia haste. Bom, parece normal já que os chacras superiores giraram menos vezes, e os de baixo são carregados que nem uma mula.

Se hoje nós olhássemos para um ser humano de longe, veríamos um tipo de pião girando. Gira em volta do dinheiro (e tem pouco, então o diâmetro é pequeno), depois vem um diâmetro maior com sexo, depois um diâmetro máximo com o ego e depois diminui gradualmente até não sobrar nada, ou quase, no topo.

Se você quer saber onde você está no seu caminho de perspectiva, aqui está uma pequena tabela para não perder paciência com os cálculos. A linha superior, com os algarismos de 1 a 7, representa os chacras principais, enquanto a coluna da esquerda representa o chacra secundário. No centro é a sua idade e, em baixo, na parte inferior azul, é um período que descreverei em outro artigo.

Por exemplo, se você tem 25 anos, você tem como chacra principal o número 4, e o secundário é o 5. Isso significa que você está experimentando a abertura para os outros, particularmente na área da religião ou da política.

Eu parei a tabela com 97 anos, mas os centenários saberão completá-la; sinceramente eu duvido que tenha um lendo este artigo na internet!

Ainda falta algo importante para fornecer um entendimento ainda maior a essa tabela, mas eu vou deixar isso para um artigo futuro onde eu descreverei o processo de integração dos nossos diferentes corpos.

De fato, agora que você sabe que tem 7 planos de harmonização, 7 chacras, descreverei os 7 corpos que temos e como eles se sincronizam com o movimento de integração que eu acabei de descrever neste artigo.

Laurent DUREAU

Artigo seguinte: Os 7 planos de harmonização (5) : os diferentes corpos (1)
Artigo anterior:  Os 7 planos de harmonização (3) : a Merkaba

Artigo originalmente publicado no blog Booster Votre Influence no dia 16 de julho 2008 e atualizado no blog 345D no dia 18 de julho 2012. Traduzido do francês.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*