Qual é a diferença entre a Alma e o Espírito? (2/2)

Vimos no artigo anterior as diferenças fundamentais entre a Alma e o Espírito. Agora, eu sugiro que você olhe para isso de um ângulo menos conceitual, mas do ângulo prático da vida cotidiana.

Muitos dos nossos ditos e expressões misturam o espírito com o pensamento, a mente e o cérebro, enquanto a alma é geralmente associada ao coração, os sentimentos e as emoções. Então, vamos resolver isso!

Primeiro, vale a pena lembrar que o Espírito é a fonte de tudo, tanto da alma que de toda a Criação. Estas são apenas uma concretização do que ele é, mas elas não são o que ele é!

Então, para fazer as pessoas entenderem a diferença entre espírito, matéria e o que chamamos de Vida, os iniciados (isto é, aqueles que conseguiram manter o contato com outros mundos de consciência) tiveram que simplificar um pouco a verdade.

O Céu, inalcançável e imprevisível, foi, portanto, designado como o Espírito, o Deus vivo que constantemente nos observa e que está associado às energias masculinas. Enquanto a Terra representava matéria, a Vida e as energias femininas.

Depois, para ter certeza que os dois dialogavam, falemos de alma associada ao amor, às emoções e à água. De fato, a água é o único elemento que transita, graças à evaporação e à chuva, entre os dois mundos graças ao Deus Sol, o representante supremo do Espírito.

Com tudo isso, conseguimos atravessar séculos e milênios fazendo oferendas aos deuses, acreditando que os Deuses também tinham emoções, de onde sua raiva e a crença de que o céu iria cair nas nossas cabeças com o trovão, etc.

Assim, nós fomos diariamente martelados de crenças baseadas em preceitos pré-históricos reforçadas com lindas histórias, como as dos profetas que tentaram corrigir um pouco a perspectiva humana antes de enfrentar uma morte violenta.

Não é preciso entrar no detalhe dos métodos usados ​​por João Batista, Jesus e muitos outros. Primeiro o sangue e a violência, e somente depois a reflexão, para geralmente acabar fazendo deles modelos a serem seguido, derramando em seguinte mais sangue nas brigas de quem está certo.

O que surpreende no ser humano é a sua capacidade de se contradizer o tempo todo, embora permaneça convencido de que ele está certo, que seu pensamento não é de forma alguma poluído por crenças absurdas e idiotas, e que ele está totalmente livre em sua cabeça. […]

Voltando ao assunto deste artigo, você deve entender que para experimentar a Vida na Terra, é imperativo que o pedaço de alma que se incarna no habitáculo humano perca a memória das suas origens e das suas experiências passadas, a fim de poder viver plenamente seu novo papel neste novo corpo.

É como um ator que entra em cena, ele se torna a Scarlett, e já não é mais o Gilberto Zé quem tem 3 filhos, impostos atrasados, uma esposa em casa, uma ciática terrível e um caso de amor com uma garçonete, sendo ao mesmo tempo um católico fervoroso, mas não praticante.

Há, portanto, dentro de nós, um pedaço de alma que se manifesta enquanto nossos olhos estão abertos (consciência de vigília) enquanto o líder continua a viajar para o outro mundo. É somente quando dormimos (e quando voltamos a uma consciência onírica) que a alma local vem prestar conta ao seu superior.

Todos os cientistas afirmam isso demonstrando que o nosso cérebro continua a trabalhar e a conversar enquanto dormimos. É um pouco como um computador fazendo as tarefas noturnas, para que no dia seguinte você possa ver o novo saldo da sua conta bancária atualizado.

Então, toda manhã, quando você levanta, os contadores são zerados. Isso também explica porque, se você impedir alguém de dormir, ele enlouquece, mesmo que esteja deitado em uma cama e sem fornecer nenhum esforço físico.

A alma é esse tipo de gravador de emoções que regularmente presta contas ao seu líder e pega come ele as novas ordens do dia. Ao escutar sua Pequena Voz, você na verdade faz o que está inscrito na tabela das coisas para viver!

Por outro lado, o Espírito não funciona nem um pouco dessa maneira. Ele vê as coisas de forma diferente, porque seu objetivo é experimentar na matéria, com o melhor veículo possível. Ele construiu, portanto, um maquinário adequado.

O corpo físico é afinal nada mais que átomos, moléculas, células, órgãos que são encaixados como as peças que servem para construir um carro. Além disso, nossa medicina está confinada a esse aspecto material, visível.

Para um médico, você é apenas um carro humano que precisa ser mantido e consertado. Então, por motivos societários, ele fala com você, porém, no final das contas, mesmo que você expresse seu sofrimento, o excesso terapêutico continua sendo seu lema. Você não tem direito sobre sua vida física porque o sistema está mantendo guarda. No nosso sistema atual, só o suicídio pode provar que você está no controle…

Em suma, o Espírito implantou em nós um receptor que pode capturar as ordens “lá de cima”, mantendo ao mesmo tempo a conexão com cada célula do seu corpo. Este dispositivo é chamado de sistema nervoso e ele é construído sobre o princípio da árvore.

De fato, a árvore comunica com o céu e a terra. Através das suas raízes ancoradas no solo, na não-luz, ela está em contato com a matéria, enquanto banhada pelo elemento ar (o Céu) graças às suas raízes externas (chamadas de galhos), através das quais ele recebe bem o espírito do Sol.

Claramente, os nervos são as nossas raízes conectadas à Terra (a matéria), a medula espinhal é o tronco enquanto nosso cérebro corresponde aos galhos e às folhas que captam as emissões do Sol para fazer uma fotossíntese chamada de “pensamento”.

Pare por um momento e visualize esta imagem corretamente; você entenderá que a natureza é realmente o nosso próprio espelho. Antes de nos tornarmos humanos, éramos animais, mas antes de nos tornarmos animais, éramos vegetais.

Entenda que a evolução da consciência é sempre construída a partir de experimentos passados. Tudo o que pode ser entendido no nível da alma é idêntico ao nível da matéria.

O resultado é que o espírito pode se tornar consciente do que ele realmente é. E isso não foi mesmo a sua principal preocupação e a sua ideia primordial, a criação de sua própria Criação?

É também, fisicamente, a razão pela qual o cérebro é insensível e pode ser cirurgicamente adulterado. Ele não tem nervos porque está ligado a um outro mundo. Nós podemos imaginar as repercussões de uma lobotomia, de um ponto de vista espiritual, porque é o equivalente para uma arvore de ver seus ramos podados, com a consciência que eles nunca mais voltarão a crescer!

O pensamento é, portanto, precisamente associado ao espírito, porque ele é sua interação física. Entendemos melhor por que localizamos a mente na cabeça e pensamos que a cabeça é superior ao resto do corpo. São as energias masculinas que são honradas.

Elas são honradas pela sua capacidade de apreender conceitualmente os fenômenos que nos rodeiam. Isto é, de fato, o que aparentemente dá ao homem essa superioridade que ele infelizmente usa muito mal.

Mas na imagem da alma, que tem uma parte na metade inferior do corpo e uma outra parte na metade superior no além, é o mesmo para o Espírito. Há uma parte que desempenha o papel de líder, enquanto a outra deve ser o servo.

Aquele que tem o papel de líder é chamado de corpo espiritual, enquanto o outro é o corpo mental. A primeira é a sua ética e os valores que dão uma direção à sua vida, enquanto a outra é a sua mente, com a personalidade associada.

O conjunto desses dois corpos do espírito é chamado de ego. Por outras palavras, seu ego é composto de um líder representando o Céu e os valores divinos, e de um servo que trabalha na Terra, na matéria, para colocar em prática o que a alma lhe diz de fazer.

Assim, nossa alma age em total concordância com o Espírito, a fim de viver a emoção de maneira saudável e para o bem de todos. O único pequeno problema é que isso não acontece bem desse jeito, de outra forma já estaríamos conscientes de que estamos em um paraíso de paz, amor e fraternidade.

O que atrapalha esse funcionamento é que a nossa mente, que deveria estar ao serviço da alma, não concorda. De fato, ao contrário da alma, a mente não é imortal, pois está associada ao corpo físico.

Mas o corpo físico nasce um dia e assim morrerá outro dia, que esperamos ficar o mais distante possível. Então nossa mente, vestida da sua personalidade, (todos os golpes duros que não conseguiu digerir completamente) tentará viver sua vida como ela achar melhor.

Ela vai querer “parecer” em vez de ser. Ela vai querer construir uma imagem, um destino e tudo o que lhe passará pela cabeça. E a sua cabeça verá apenas o que a mente pode ver, entender por si mesma ou ouvir. Ela é, portanto, totalmente manipulável, neste nível, pela música que ouve, pelos filmes que assiste, pelos comerciais, etc.

Um ego que tem 90% de personalidade e 10% de valores divinos terá muitos problemas à sua frente. Este famoso corpo espiritual (sem relação direta nenhuma com as religiões) se desenvolverá através da experiência e do verdadeiro ouvinte.

Isso também se chama de sabedoria. A sabedoria é a emanação de regras de comportamento que levam muito mais em conta as consequências das nossas ações e pensamentos sobre o bem dos outros e da Criação.

Quando um indivíduo tem uma falta de sabedoria, é simplesmente que ele joga sozinho, mostrando o dedo para as repercussões das suas ações nos outros. Essa falta de sabedoria é, portanto, naturalmente associada à juventude, que age primeiro e pensa depois.

Mas como, obviamente, existe de tudo neste mundo, a falsa sabedoria assola no nível das crenças. Precisamos saber discernir o verdadeiro do falso em todas as áreas. A única táctica de defesa no meio dessa bagunça é usar a cabeça e o coração, na sua versão “céu”, e não na sua versão “personalidade”.

Se você associar a sensação com a Pequena Voz, suas chances de ser enganado ou aproveitado se tornam muito fracas, até inexistentes. Por outro lado, se você combinar sua mente e suas emoções, saiba que as chances de dar problema são máximas.

Falei isso de maneira simples (e de maneira curta, como sempre deveria ser); aqui está a diferença prática entre uma vida cheia de felicidade, e uma vida cheia de preocupações de todos os tipos.

Laurent DUREAU

Artigo originalmente publicado no blog Booster Votre Influence no dia 12 de dezembro 2008 e atualizado no blog 345D no dia 5 de junho 2012. Traduzido do francês.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*